Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




T... de Tamarilhos

por Ana Catarina Tavares, Nutricionista, em 14.03.16

Já alguma vez ouviram falar de tamarilhos?

 

O tamarilho também é conhecido como tomate arbóreo, tomate japonês ou tomate-maracujá. Tem uma forma oval e é originário da América do Sul. A sua casca pode ser vermelha ou ambar. A polpa é de cor amarela ou alaranjada, ácida e ligeiramente doce ao mesmo tempo. As sementes que se encontram no interior do fruto são pequenas e comestíveis. 

 

Normalmente, não se costuma comer a casca. Depois de descascado, pode comer-se cru ou cozinhado. Devido ao seu sabor agridoce é habitualmente utilizado em saladas, guisados, compotas, geleias, sumos e recheios de bolos. 

 

É um fruto pouco calórico uma vez que 100 g de tamarilhos contêm apenas 31 calorias. Também são boas fontes de fibra uma vez que por cada 100 g apresentam 3,4 g de fibras. 

 

Apresentam níveis elevados de antioxidantes provenientes essencialmente de compostos polifenólicos, flovonóides e antocianinas. Alguns destes fitoquímicos incluem o ácido clorogénico. Alguns estudos científicos sugerem que este ácido ajuda a reduzir os níveis de açúcar no sangue na diabetes mellitus tipo II.

 

Este fruto é bastante rico em potássio, cobre, manganês, fibra, vitamina A, vitamina B6, vitamina C, vitamina E e Tiamina. Em conjunto, estas vitaminas actuam como co-factores para enzimas quer no metabolismo quer em diversas funções de síntese no interior do corpo.

 

É um fruto com baixo teor de gordura e de açúcar podendo ser um óptimo aliado quer em dietas de perda de peso quer em dietas de manutenção de peso. É também baixo em sódio pelo que pode ser consumido por hipertensos.

 

Só boas razões para consumir este fruto =)

FullSizeRender.jpg

 

Ana Catarina Tavares

1726N

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


G... de Grão

por Ana Catarina Tavares, Nutricionista, em 29.02.16

O grão, também conhecido como grão-de-bico, é uma leguminosa (pertencente à família das ervilhas) que teve origem da Turquia, na Síria e no Irã. O cultivo desta leguminosa começou 7000 anos aC. Era popular e amplamente consumido no antigo Egito, na Grécia e em Roma. 

 

Em Espanha, foi introduzido pelos fenícios e tornou-se bastante popular durante o domínio árabe na península ibérica. Foram principalmente os espanhóis que trouxeram o grão-de-bico para o Novo Mundo, pouco depois dos Descobrimentos.

 

Chegou ao Brasil com os portugueses, que utilizam o ingrediente em vários pratos típicos, mas o seu cultivo e o seu consumo cresceram por conta dos imigrantes vindos da Espanha e do Oriente Médio.

 

É a quinta leguminosa mais cultivada no mundo, depois da soja, do amendoim, dos feijões e da ervilha.

 

O grão-de-bico é uma proteína de origem vegetal pelo que numa dieta saudável pode ajudar no aumento de massa muscular. Cerca de 30% da sua constituição são de proteínas. Entre os principais componentes das proteínas do grão está o aminoácido triptofano. No organismo, esta substância transforma-se em serotonina, um neurotransmissor relacionado às sensações de bem-estar e prazer.

  

É ainda um óptimo alimento para ajudar a controlar o peso, já que possui hidratos de carbono complexos (de metabolização lenta no organismo) e é rico em fibras, o que proporciona quer a sensação de saciedade após a alimentação quer ajuda a diminuir o "mau" colesterol - LDL. Estas fibras ajudam também na prevenção do cancro do cólon e do reto e ajudam a diminuir a obstipação.

 

Apresenta na sua composição ferro, zinco, potássio, magnésio, fósforo, manganês, niacina, folato e cálcio, além de ômegas 3 e 6 (óptimos para prevenção de doenças cardiovasculares). 

 

Estudos mostram que o consumo regular de leguminosas, pode ajudar no controle da diabetes e na diminuição do risco de doenças cardiovasculares.

 

O grão-de-bico beneficia ainda o desenvolvimento de bactérias benéficas no intestino grosso — ele contém um amido que resiste ao processo de digestão e serve de “alimento” para essas bactérias, que competem com as bactérias que fazem mal, diminuindo o desenvolvimento destas últimas e favorecendo o sistema imunológico do corpo.

As bactérias benéficas também podem ajudar a absorção de certos nutrientes, como o cálcio, e oferecer protecção contra o cancro colo-retal.

 

Se o grão lhe costuma provocar flatulência experimente acrescentar à água de demolhar um pedaço de alga kombu uma vez que esta vai facilitar a digestão das leguminosas.

 

Devemos dar sempre preferência a leguminosas secas, demolhá-las e cozê-las, uma vez que estas não possuem nenhum ingrediente adicionado tais como açúcares e conservantes.

 

Atenção! É muito importante demolhar as leguminosas secas! Na natureza as sementes encontram-se num estado “adormecido” e só se desenvolvem quando as condições são ideais. Elas possuem mecanismos de defesa que incluem inibidores de enzimas, substâncias tóxicas e anti-nutrientes que permitem manter todas as suas propriedades intactas até ao momento que em contacto com a água, neste caso com a chuva, começa o seu processo de germinação e se desenvolve a nova planta.

Ao demolhar estamos a imitar o processo que acontece na natureza, iniciando a germinação e só desta forma as enzimas começam a ser produzidas. As proteínas, os minerais, e as vitaminas ficam biodisponíveis e são mais fáceis de serem assimilados pelo nosso organismo.

A água deve depois ser eliminada e com nova água começamos o processo da cozedura.

 

Ao comprar a leguminosa seca, verifique sempre se os grãos estão inteiros, com tamanho e cor uniformes, sem manchas escuras ou sinais de humidade. Se já estiver embalado, observe se não há insetos no interior da embalagem.

Na compra de grão-de-bico em conserva, a embalagem deve ser intacta, sem sinais de ferrugem e dentro do prazo de validade. Procure também aquele com menor lista de ingredientes!

 

Ana Catarina Tavares

1726N

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


A… de Abacate

por Ana Catarina Tavares, Nutricionista, em 15.02.16

Os abacates são nativos da América Central e do Sul e foram cultivados nestas regiões desde 8000 aC. Os principais produtores comerciais de abacates são os Estados Unidos, México, República Dominicana, Brasil e Colômbia.

Existem dezenas de variedades de abacate, incluindo as variedades Hass, Fuerto, Zutano e bacon.

A variedade Hass é o tipo mais popular de abacate. Tem uma casca mais escura.

O abacate Fuerte, geralmente disponíveis durante os meses de inverno, tem uma pele mais lisa verde, mais brilhante.

A palavra "abacate" é derivado da palavra asteca "ahuacatl", que significa testículo.

Um abacate está maduro e pronto para comer quando é um pouco mole, mas não deve ter manchas escuras afundados ou rachaduras.

 

Ana Catarina Tavares

1726N

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


Batido verde

por Ana Catarina Tavares, Nutricionista, em 18.01.16

Ingredientes:

- Uma mão cheia de espinafres (usei biológicos)

- 200 ml de água de coco

- 2 Colheres de sopa de flocos de aveia

- 1 Banana

 

Preparação:

Bater todos os ingredientes na liquidificadora.

Beber num espaço de 30 minutos.

 

Ana Catarina Tavares

1726N

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


T de Tamara

por Ana Catarina Tavares, Nutricionista, em 11.01.16

As tâmaras são produzidas pelas tamareiras que em grego tem a designação de Phoenix.

Em árabe, a palavra tâmara significa dedo de luz (douglat nour), lembrando a forma e a transparência luminosa dos frutos da tamareira.

Os países asiáticos e africanos, principalmente Egito, Irão, Arábia Saudita, Paquistão, Iraque e os países vizinhos, juntos produzem aproximadamente 98% das tâmaras do mundo. Estados Unidos, Espanha e México produzem os restantes 2%.

As tâmaras têm sido um alimento básico no Médio Oriente desde há milhares de anos. Acredita-se que tiveram origem no Golfo Pérsico, e que têm sido cultivadas desde os tempos antigos da Mesopotâmia, na pré-história do Egipto, possivelmente já em 4000 a.C. Existem também evidências arqueológicas do cultivo da tâmara no leste da Arábia em 6000 a.C.

A importância da tâmara na vida do deserto, devido à escassez de alimentos, levou a que este fruto fosse considerado como o alimento perfeito na sobrevivência dos povos que viviam nos desertos, os chamados “Beduínos”.

Povo Beduíno

 

 

Diz-se que um beduíno resiste três dias de marcha com uma tâmara: “No primeiro dia come a pele, no segundo dia o fruto e no terceiro o caroço”.

 

 

 

As tâmaras, incluídas numa alimentação variada, equilibrada e completa, são saudáveis quer para indivíduos diabéticos quer para indivíduos saudáveis quer para indivíduos em dietas de emagrecimento.

 

Existem diversos tipos de tâmaras.

No entanto, é muito importante procurar tâmaras que não sejam brilhantes já que essas normalmente são cobertas de glicose, deixando assim de ser saudáveis. Em caso de dúvida veja a lista de ingredientes que deve ser apenas um: Tâmaras!

 

Ana Catarina Tavares

1726N

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


C…. de Caju

por Ana Catarina Tavares, Nutricionista, em 12.10.15

Na realidade os cajus são as sementes que adere ao fundo da castanha-de-caju (fruto do cajueiro). Sendo assim o caju não é exatamente um fruto mas um pseudofruto. Os cajueiros são árvores nativas das áreas costeiras do nordeste brasileiro.

 

Os exploradores portugueses levaram os cajueiros a partir deste país e introduziram-nos noutras regiões tropicais como a Índia e alguns países africanos. O cajueiro foi sempre um recurso valorizado devido à sua madeira preciosa, bálsamo de caju e de caju, mas a própria castanha de caju não ganhou popularidade até o início do século XX. Hoje, os principais produtores comerciais de caju são a Índia, o Brasil, Moçambique, Tanzânia e Nigéria.

Os cajus são boas fontes de energia, hidratos de carbono, proteínas, gorduras, fibras alimentares, vitaminas do complexo B, vitamina C, cálcio, zinco, manganês, magnésio, ferro, fósforo, fibras, potássio e inúmeros outros nutrientes e substâncias químicas. O manganês e magnésio ajudam na formação de tecido e células e o magnésio reduz a pressão arterial.

O caju apresenta um teor de gordura mais baixo do que a maioria dos outros frutos secos. Aproximadamente 82% da sua gordura é insaturada e desses 66% são mono-insaturadas. Esses 2 tipos de gorduras insaturadas têm um efeito positivo para a saúde. A substituição de gorduras saturadas por insaturadas ajuda a diminuir o nível de colesterol no sangue. O corpo necessita de gorduras para que o corpo absorva as vitaminas A, D, E e K.

Estudos realizados em diabéticos, por exemplo, mostram que estes tipos de gordura quando adicionadas a uma dieta saudável pode ajudar a reduzir os níveis elevados de triglicéridos. Os níveis elevados de triglicéridos estão associados a um risco aumentado de doença cardíaca.

Os cajus contêm o aminoácido essencial L-triptofano que ajuda a reduzir os níveis de ansiedade e ajuda a adormecer pelo que é considerado um antidepressivo e ansiolítico natural.

Tal como todos os frutos secos são bastante calóricos, apesar de bastante saudáveis, pelo que devem ser introduzidos numa dieta equilibrada, variada e completa, numa dose entre as 25 e as 30 g por dia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D


Links

  •